As melhores de Strauss

Posted by By at 6 October, at 01 : 20 AM Print

Tracklist:
Royal Philharmonic Orchestra
1. Also Sprach Zarathustra Einleitung
2. Also Sprach Zarathustra Von Den Hinterweltern
3. Also Sprach Zarathustra Von Der Grossen Sehnsuch
4. Also Sprach Zarathustra Von Den Freuden und Leidenschaften
5. Also Sprach Zarathustra Das Grabilied
6. Also Sprach Zarathustra Von Der Wissenchaft
7. Also Sprach Zarathustra Der Genesende
8. Also Sprach Zarathustra Das Tanzlied
9. Also Sprach Zarathustra Nachtwanderland
10. Don Juan, op 20
11. Till Eulenspiegels Lustige Streiche Op 28

Slovak Philharmonic Orchestra
12. Daqueles mundos interiores
13. Da aspiracao suprema
14. Das alegrias e paixoes
15. O canto do funeral
16. Cancao da ciencia
17. O convalescente
18. O canto da danca

Biografia e obras

Richard Georg Strauss (Munique, 11 de junho de 1864 – Garmisch-Partenkirchen, 8 de setembro de 1949) foi um compositor e maestro alemão. Ele é considerado um dos mais destacados representantes da música entre o final da Era Romântica e o início da Idade Moderna.

O seu pai, Franz Strauss, era primeiro trompista da orquestra da Ópera de Munique, tendo participado da estreia de Tristão e Isolda e Die Meistersinger, sendo muito elogiado pelo próprio Wagner, que gostava de ouvi-lo tocar solos das partes de trompa de suas óperas e pediu-lhe que revisasse as partes desse instrumento na partitura de Siegfried. Ainda criança, Strauss estudou violino e harpa com membros dessa mesma orquestra, e antes de completar dez anos, já havia escrito uma serenata para instrumentos de sopro.
Em 1885 Richard Strauss tornou-se assistente do célebre regente Hans von Bülow em Meiningen e, um mês mais tarde, tornou-se regente titular daquela orquestra. Foi também diretor da Ópera de Weimar (1886), Berlim (1898), e Viena (1919-1924).
Em 1894 ele foi convidado por Cosima Wagner a reger Tannhäuser em Bayreuth, tornando-se amigo da viúva de Wagner.
Entre 1886 e 1898 Richard Strauss assombrou o mundo com uma série de poemas sinfônicos e sinfonias. Em 1893 ele se casou com a sopranoPauline de Ahna, a primeira a cantar o papel de Freihild em sua primeira ópera, Guntram. Mas quando ele conheceu o poeta Hugo von Hofmannsthalpor volta de 1909, uma nova fase se abriu na produção musical de Richard Strauss, dedicada principalmente à ópera.
Durante a Primeira Guerra Mundial Richard Strauss foi ardente partidário da dinastia dos Hohenzollern. Apesar disso, durante a década que se seguiu à derrota da Alemanha o músico foi acolhido internacionalmente com calor e respeito.
Em 1923 Richard Strauss esteve no Brasil, onde deu memoráveis concertos no Rio de Janeiro e em São Paulo.
Após a subida ao poder de Hitler (1933), Richard Strauss aceitou ser nomeado diretor do Reichsmusikkammer (1934). Isso tem levado a suspeitas de simpatia com o nazismo, o que fez com que o compositor sofresse o desdém de outros músicos que protestaram veementemente contra o regime nazista, entre os quais Toscanini, Arthur Rubinstein e Otto Klemperer. É sabido que Strauss dedicou uma canção a Joseph Goebbels, ministro da propaganda da Alemanha Nazista. Richard Strauss não seria antissemita. Isso pode ser provado pelo fato de ele ter colaborado com um escritor judeu, Stefan Zweig, autor do libreto de uma de suas óperas, Die Schweigsame Frau (Stefan Zweig se mudou para o Rio, onde cometeu suicídio), e pelo fato de que ele fez tudo para defender sua nora, que era judia. Após a derrota de Hitler em 1945 os Aliados instalaram na Alemanha um comitê de de-nazificação, e Richard Strauss foi chamado a depor, mas o tribunal o inocentou de qualquer filiação ao partido nazista. Convidado a reger seus concertos em Londres em 1947, foi recebido entusiasticamente.
Pouco depois Richard Strauss compôs sua última obra, Vier Letzte Lieder (“Quatro Últimas Canções”). Morreu pacificamente em sua casa em Garmish-Partenkirchen, a 8 de setembro de 1949. Encontra-se sepultado em Richard Strauss Villa, Garmisch, Baviera na Alemanha.
Strauss era ateu, duvidava de todas as religiões, exceto talvez a religião da razão. “Eu nunca me converterei, e eu permanecerei fiel a minha velha religião clássica até o fim de minha vida”, declarou pouco tempo antes de sua morte.
Sua obra mais popular é o poema sinfônico Also sprach Zarathustra (Assim falou Zaratustra, Opus 30, de 1891), cuja introdução foi utilizada pelo cineasta e diretor Stanley Kubrick como tema central do filme 2001: uma odisseia no espaço (1968).

Posts - Portuguese, Richard Strauss , , , , ,

Related Posts

Post Your Comment